Archives de catégorie : Away stand

This category gives a direct access to the texts published in different languages but French: English and Portuguese so far.
Cette catégorie contient les textes publiés dans d’autres langues que le français: anglais et portugais jusqu’à présent.

Is World Cup 2022 in Qatar at risk?

The Swiss justice has launched last Thursday the 12th of October 2017 an inquiry for infringement of procedural rules in the attribution of the TV rights for Middle East and Northern Africa zones in the football world cups 2026 and 2030. The Qatari media group BeIN is suspected of bribery. This new allegation against the little emirate is adding a bit more concern about its ability to welcome the 2022 edition of the world cup. The 6th of October, the BBC sports editor, Dan Roan, was revealing that a study run by management consultants was clearly speaking about a risk of report. When sport meets geopolitics.

 

Geopolitical background. A controversial victory
FIFA (Fédération Internationale de Football Association) voted in 2010 for awarding Qatar the 2022 World Cup. This controversial decision has been presented as a diplomatic victory for the small gas-rich emirate, while the development of its national media group (BeIN Media group, previously known as Al Jazeera Sport) and French football club Paris-Saint-Germain purchased in 2011 were seen as economical victories. Qatar is aiming to build nine new stadiums with state-of-the-art cooling technology to host World Cup games in 2022.

sources: http://sport24.lefigaro.fr

Beside some allegations about potential corruption of voters for the 2010 election, Qatar is facing a major geopolitical crisis. In June 2017, Saudi Arabia, Bahrain, Egypt and the United Arab Emirates (UAE) cut ties with their Gulf neighbour saying it was destabilising the Middle East by getting too friendly with Iran and supporting terrorism. Qatar strongly denies the allegation and has rejected a list of conditions for the lifting of sanctions. Saudi Arabia has closed its land border with Qatar, while all four countries have cut air and sea links with the kingdom.

 

Present situation. A controversial report
Management consultants Cornerstone Global have conducted a report entitled “Qatar in focus: Is the Fifa World Cup 2022 in danger?” It assesses the impact of the current diplomatic crisis between Qatar and its neighbours. There is « an increasing political risk that Qatar may not host the World Cup in 2022 » said the study.

BBC explains: “The document warns construction companies working on the country’s $200bn (£153bn) infrastructure programme that it is a « high-risk project »”. It claims tournament insiders and regional experts have both stated that it is far from certain Doha will actually host the tournament.

Dan Roan says: “Reasons for this are many and include open allegations of corruption – both in the bidding process and in the infrastructure development”. The report states « this means an increased risk for those working on, or seeking contracts for World Cup 2022 infrastructure… with a risk of non-payment and no realistic ability to enforce any legal contracts. (…) Given the current political situation… it is certainly possible that the tournament will not be held in Qatar. (…) Construction sources in Qatar have informed us that companies working on the World Cup, whilst not panicking yet, are already feeling the impact of the sanctions, with logistics proving costly and challenging to re-organise in light of the border closures with its neighbours. A group of five project managers working for a variety of small multi-national companies, all with government contracts related to World Cup construction, told us in July 2017 that their costs have increased by between 20 and 25% due to logistical problems. »

 

The counter-attack
Qatar counter-attacks speedily. In a statement, Qatar 2022’s Supreme Committee for Delivery & Legacy denounced the author of the report for having an « affiliation to the countries blockading Qatar ». It said: firstly « there is absolutely no risk to the future of the first World Cup in the Middle East”, secondly there is “no impact on preparations as a result of the ongoing and illegal blockade against Qatar » and thirdly it is clear that “the intention to create doubt regarding the tournament, while attempting to cause resentment amongst Qatari citizens and anxiety amongst foreign businesses and residents, is as transparent as it is laughable. »

We are never sure to see snow for Christmas. Are we sure to see a World Cup for Christmas in 2022? Future will tells us.

Cite this article as: Jean-Michel ROUX, Is World Cup 2022 in Qatar at risk?, in Au stade des villes, 18/10/2017, https://stade.hypotheses.org/1101.

Perivolia municipal stadium, a ground with a citrus smell

Looking for a stadium in Creta (Greece) for groundhopping purpose, can be a very exciting leisure if you are not using a GPS (sat nav). I have tried it with the home stadium of Platanias FC in Chania – or Xania – in the North-western part of the island. But the try is definitely worth if you are not a fan of starchitecture, tradium or international stadia manufactured ambiance.

 

Not being an expert of Greek Superleague, it will be difficult to realize that Chania has, in fact, a team playing in top division since it is named Platanias FC1. The Chania’s club is named from the place it comes from: an awfully touristic small town on the Cretan Sea. Platanias is a deme, a local community different from the one of Chania, located 10 km (6,2 miles) eastward. But Platanias FC is not playing there anymore, rather in Perivolia which is a village in Mournies…  a regional unit of Chania’s municipality.

Do not make any mistake with another Mournies in Creta ; a village nearby Ierapetra, same island, but on the south-eastern part, facing the Libyan Sea. If you are there looking for the stadium right in time for kick-off, you will be disappointed… Perivolia is also a location nearby Réthymnon, the third largest city in Creta, one hour ago by car from our Perivolia. Different mistake… same punishment: no game in time!

Once you know, for sure, that Platanias FC’s ground, Perivolia Municipal Stadium, is to be found nearby Chania, somewhere over the national road, toward the South, you are almost there. Do not be ashamed to get lost again, you are not the only one. The roads leading to the place are tricky and you do not expect a stadium in such a rural area. Many other people got lost before you, many Greeks fans amongst them. A small stadium nearby is covered by spray paints of Attica fans that probably made a mistake and spoiled some precious spray cans.

Arriving to Perivolia municipal stadium from the countryside roads.

Once you are there, you start to wonder why a town planning authority has decided that such a small lot of land, surrounded by fields, would be an ideal location for a national sport ground. It is just a tiny building plot in the countryside, surrounded by a small road leading to the industruous suburbs of Chania, a weird « fairy land », a 5×5 soccer, some citrus fields with its characteristic red-orange soil, and some olive trees.

A strange neighbourhood…

But was it planned? Never mind. In 1959, some persons decided that the land was available and they built a national stadium. The stadium  was later  « given » to the municipal authority of Chania and renovated in 2012 (consequence of the economical crisis or promotion of Platanias FC to top division?).

The stadium is located 4 km South of Chania, nearby the national road, completely outside the city. You access it either by a suburban road (Eleftherias) or by small countryside roads. The only sign of an urban life is the bus stop and its two typically Greek small chapels.

Bus stop and last stop for praying for Platanias FC.

Do not except to be guided by the floodlights or a name over the roof advertising a beer or insurance company: there is no name on the stadium. Not even « Perivolia municipal stadium » on the main stand. There is no car park below or nearby the stadium, and even more, no open space around it. How could people park there?  You cannot walk all around the stadium because of citrus and olive fields. Only two faces are directly accessible from the public realm. The temporary stand built on the East are well above the old fencing wall and you can enjoy the smell and vision of the citrus on the half time. You can almost pick a fruit.

The East stand with its citrus foreground.

The stadium is painted in blue and white, not red and white, colors of Platanias FC. Are those colors a remaining of the national ownership? Is dedicated to Uruguay or Argentina? Maybe Manchester City or Maracanã?

Southside wall with its blue gate dating from the time it was a national stadium?

The outside walls seems to be regularly bleached by the municipality to cover the away fans signatures. The stadium is surrounded a by a small wall (2 m. or 6,56 ft high) directly on the road. It is surelevated by a fence made or iron grid used for the building industry, a typical way of fencing field and house in Creta.

White bleached wall and its hand-made fencing.

The stadium is nevertheless beautiful under the Summer sky, when empty. The ambiance is absolutely peaceful. The stunning landscape of laurels, olive and citrus trees  with the mountains in the distance (Lefki Ora, the white mountains) and the smell of eucalyptus trees contribute to the success of the location. At the end, we can have only one regret: Platanias was playing away in AEK Athens this very week…

Cite this article as: Jean-Michel ROUX, Perivolia municipal stadium, a ground with a citrus smell, in Au stade des villes, 15/08/2017, https://stade.hypotheses.org/892.
  1. The club is currently competing in the Superleague for the first time in its history, after winning the promotion play-offs of 2011–12. It is even the only cretan club playing at that level, OFI and Ergotelis, the far better known clubs of Heraklion, being in the second division []

Impressões sobre o estádio Stade des Alpes

Natália Rodrigues de Melo est une jeune « tourismologue » brésilienne qui fait sa thèse à l’Université Fédérale de Rio de Janeiro au sein de la Faculté d’Architecture et d’Urbanisme. Son sujet de recherche porte sur l’analyse de l’ambiance des stades de football rénovés pour la coupe du monde 2014. Elle est accueillie au printemps 2017 à l’Institut d’Urbanisme de Grenoble et au laboratoire PACTE du CNRS. Le texte ci-dessous constitue  un travail d’observation situé du Stade des Alpes (Grenoble) lors d’un match décisif pour la montée du GF38 du CFA en National (de la 4e à la 3e division nationale).  Quatrième et dernière étape d’un travail commencé au stade Geoffroy-Guichard de Saint-Etienne et poursuivi au Parc Olympique Lyonnais de Décines et au Parc-des-Princes de Paris.

 

O Stade des Alpes foi inaugurado em 2008 e está situado na cidade de Grenoble, região Rhone Alpes. O equipamento fica na borda do Parc Paul-Mistral e foi construído no espaço do antigo Stade Charles-Berty destruído em 2003.

Stade des Alpes e a ambiência do Parc Paul Mistral. Fonte: própria autora

A maior parte da população da cidade não aprovou a construção do estádio alegando que, por não haver tradição de futebol, ele se tornaria um “elefante branco” e um desastre financeiro. Logo, para justificar sua importância, além da equipe Grenoble Foot 38, em 2014 o estádio foi transformado em sede do FC Grenoble Rugby e da equipe de hockey Brûleurs de Loups, nos jogos de inverno.

A população também fez objeção ao estádio pela sua localização no centro da cidade, que poderia causar muito engarrafamento em dias de jogo, poluição sonora, poluição visual, bem como poderia destruir cerca de 200 árvores antigas que ficam no parque ao lado.

Uma vez aceito pela população, o estádio deveria ser construído prezando pelo meio ambiente, transparência de sua estrutura física e ter portões que abrem em dias cotidianos e se fecham enquanto acontecem as partidas. O acesso é feito pelo tram e não há estacionamento no local.

Fui conhecer o equipamento no dia 13 de maio, às 18 horas, em uma partida do Grenoble Foot 38 conta a equipe Le Puy. Era um jogo decisivo que poderia levar a equipe anfitriã da quarta divisão do Campeonato Francês para o “National” ou terceira divisão.

No Parc Paul Mistral é possível sentir a natureza por perto, um cheiro bom que sai das árvores. Logo na descida da linha C do Tram é possível avistar o estádio e o grande número de torcedores que ficam em volta. Além do odor do mato e das árvores, há um misto de cheiro de cerveja e comida que os torcedores se deleitam. É uma atmosfera de jogo e não poderia ser diferente.

O azul e branco da equipe Grenobloise era visto em camisas e bandeiras por todos os cantos, mas principalmente em echarpes, já que o dia estava frio e a maioria das pessoas estava usando casaco em tom neutro, como preto e cinza.

Bandeira distribuída no estádio. Fonte: própria autora

A entrada do estádio é feita pelas portas que se fecham em dias de jogo e acessamos primeiramente pelos seguranças e depois subimos as escadas que dão acesso diretamente às cadeiras. A visibilidade do campo não é total, como nas arenas, logo, quem fica em determinados locais do equipamento, como nas partes inferiores, não consegue acompanhar todo o campo de visão da partida.

Acesso ao estádio. Fonte: própria autora
Os Ultras Red Kaos. Fonte: própria autora

Diferentemente das outras partidas, os Ultras não ficam nas extremidades do estádio, pois elas estavam fechadas. Dessa forma, somente as tribunas Sud e Nord foram ocupadas. A distribuição de torcedores no espaço, que tem capacidade para aproximadamente 20.000 torcedores (25 mil quando abre para a capacidade total), fica esquematizada da seguinte maneira: Tribune Sud : 4 000 places, Tribune Nord : 6 000 places, Tribune Est : 5 000 places, Tribune Ouest : 5 000 places, Tribune presse : 68 places.

Todos estavam próximos e o local estava muito cheio. Era um misto de alegria com expectativa para uma partida decisiva para a equipe anfitriã. Os Ultras, conhecidos como Red Kaos não se calavam e davam musicalidade ao ambiente, além da evidência das cores da equipe.

O estádio transparente me dava a visibilidade dos Alpes e isso fazia daquele ambiente uma pintura, um quadro. Era difícil me concentrar na partida ao mesmo em tempo que aquela paisagem estava bem ali, bela na minha frente.

O estádio e as montanhas. Fonte: Group 38

Como em todas as partidas na França é possível acompanhar o tempo e o placar por grandes telas que ficam nos cantos do estádio. Esse jogo não tinha locutor como no jogo do PSG, mas uma pessoa que falava de coisas pontuais e importantes da partida, como o início, cartões, expulsões etc.

No intervalo a música estava muito alta e isso atrapalhava muito de conversar sobre a partida, os melhores momentos e assuntos triviais. Incomodava bastante. No Brasil é praxe recente ter músicas nos intervalos, acredito que tenha sido depois da Copa do Mundo, mas nada tão alto que chegue a atrapalhar.

Havia muitas crianças no estádio e que ficavam correndo de um lado para o outro. Jogavam papel para todos os lados e não se concentram no jogo. Coisas de crianças.

Ficamos nas cadeiras da parte inferior no primeiro tempo da partida, mas depois subimos para que pudéssemos ter melhor visibilidade do jogo. Acessamos o nível mais alto pulando as próprias cadeiras me fazendo lembrar dos jogos que ia no Mineirão, antes da reforma.

Disposição das cadeiras. Fonte: própria autora

Assim como nas outras partidas, foi possível ouvir um cântico Argentino, mais especificamente da equipe do Boca Juniors e que “viralizou” mundo afora. Os papéis picados também é inspiração Argentina e o estádio estava pleno deles, “os papelitos”. Cores, papéis, cânticos, bandeiras, gritos, euforia, enfim, uma atmosfera incrível de uma partida decisiva de futebol.

Assim como acontece com a equipe do Saint-Etiénne, os torcedores da equipe de Grenoble também confecciona um jornal para falar das partidas, classificação e demais assuntos sobre o futebol.

Jornal dos torcedores. Fonte: própria autora

Ao final, a equipe Grenoble Foot 38 conseguiu colocar 10 mil torcedores no estádio e ascender para o National. Foi uma tremenda festa. Várias fumaças coloridas, papelitos voando, a equipe saudando os torcedores. Uma enorme emoção! Acessamos o gramado para comemorarmos juntos. Me senti parte do espetáculo. Nem o frio incomodava mais. Incrível!

Comemoração. Fumaça dos Ultras e a equipe saudando os torcedores. Fonte: própria autora
“Invasão” do campo pelos torcedores que comemoram o título. Fonte: própria autora

Impressões sobre o estádio Parc des Princes

Natália Rodrigues de Melo est une jeune « tourismologue » brésilienne qui fait sa thèse à l’Université Fédérale de Rio de Janeiro au sein de la Faculté d’Architecture et d’Urbanisme. Son sujet de recherche porte sur l’analyse de l’ambiance des stades de football rénovés pour la coupe du monde 2014. Elle est accueillie au printemps 2017 à l’Institut d’Urbanisme de Grenoble et au laboratoire PACTE du CNRS. Le texte ci-dessous constitue  un travail d’observation situé du Parc-des-Princes de Paris lors d’un match de championnat entre PSG et le SC Bastia. Troisième étape d’un travail commencé au stade Geoffroy-Guichard de Saint-Etienne et au Parc Olympique Lyonnais de Décines.

 

O Estádio Parque dos Príncipes foi reformado para a Euro 2016 e custou em torno de 75 milhões de euros. O equipamento ocupa uma área de 70 mil metros quadrados e tem capacidade para 48 mil torcedores. Foi inaugurado em 1972 e pertence à prefeitura da cidade de Paris. É palco de jogos de rugby, mas principalmente abriga partidas de uma das equipes de futebol mais fortes da França, o Paris Saint-German.

A equipe do PSG faz parte do grupo Qatar Sports Investments e, por esse investimento milionário vindo dos Emirados Árabes, a estrutura do clube também mudou e os torcedores, por consequência, passaram a ser mais selecionados pelos altos preços dos ingressos cobrados nas partidas do seu time.

Antes dessa negociação, porém, as torcidas organizadas, aqui chamadas de Ultras, ficaram impedidas de acessar o estádio desde 2010. A medida se deu devido a episódios de violência causados por elas. No entanto, o então presidente do clube Nasser Al-Khelaifi pediu a volta dos Ultras ao estádio, pois disse que o mesmo tinha “perdido a alma” e os novos torcedores não “sabiam torcer”. Em negociação com a polícia parisiense, foi permitido o retorno dos Ultras no ano de 2016.

O jogo que eu estava indo presenciar era do segundo colocado da Ligue 1 do campeonato francês, PSG, contra o último colocado, Bastia, para a antepenúltima rodada. Era uma tarde de sábado, dia 06 de maio, e eu seguia para a estação do metrô Colonel Fabien sentido estádio Parque dos Príncipes. Encontrei dois amigos brasileiros e seguimos juntos.

O metrô seguia com torcedores, a maioria uniformizado, mas nenhum deles estava cantando ou aparentemente empolgado. O Paris estava praticamente sem chances de ganhar o campeonato, pois no jogo anterior havia perdido para a equipe de Nice e se distanciado do primeiro colocado, Mônaco.

Ao chegar no estádio a emoção tomou conta, pois sempre quis conhecer o tão famoso Parc des Princes. Logo me deparei com uma arquitetura que me lembrou o Mineirão e, dessa forma, mais encantada eu fiquei.

Fachada do estádio Parc des Princes. Fonte: própria autora

Fazia muito frio e estava chovendo um pouco no entorno, talvez por isso os torcedores seguiam diretamente para dentro do estádio. O acesso é muito fácil e havia muitos informantes. As pessoas bebiam, mas não vi muitos bares por perto. Não havia tendas de comida, nem mesmo o cheiro dela por perto. Era somente o aroma de folhas molhadas das árvores que prevalecia no ar.

Fiquei na Tribuna Boulogne, uma das extremidades do estádio. Essa tribuna faz oposição à Tribuna Auteuil, mas em ambas ficam lotados os Ultras. É comum os estádios franceses terem essa divisão: as tribunas das extremidades comportam os Ultras e nas tribunas laterais ficam os demais torcedores e expectadores de comportamento mais reservado e calmo.

Como me separei dos meus amigos – eles compraram ingresso para a Tribuna Auteuil – eu preferi ficar em um local mais tranquilo para poder observar. Não tive que seguir a numeração do meu ingresso – assim como sempre faço no Brasil – então isso facilitou bastante a escolha de um local mais tranquilo. Sentia muito frio onde estava, mas em momento algum desfez meu encantamento. Eu estava realizando um sonho! O estádio é muito monumental como tudo em Paris. A dimensão dele me fez sentir pequena diante de tamanha imensidão.

Panorâmica da parte interna do estádio Parc des Princes. Fonte: Leandro Gavião

Muitas crianças circulavam no gramado, mas nas cadeiras não havia muitas delas. Presença maciça de homens e somente algumas figuras femininas e infantis. Uma espécie de narrador/animador fala o tempo todo o que me lembrou uma partida de vôlei no Brasil. Ele incentiva os torcedores a gritarem os nomes dos jogadores enquanto eles vão sendo apresentados. É como se fosse um ritual, o primeiro nome é falado pelo narrador e o segundo nome é gritado pelos torcedores. As pessoas ficam eufóricas com o momento. Apesar desse sentimento de algo mecânico da necessidade de um narrador/animador, é empolgante sentir a torcida vibrando com o momento.

Antes do início efetivo do jogo os jogadores fizeram um minuto de silêncio pelo ocorrido no estádio do Bastia em 1992, o chamado L’Enfer de Furiani. 25 anos de uma tragédia que matou alguns torcedores pela queda de uma das partes do estádio. Um silêncio triste que me remeteu ao acidente trágico da Chapecoense e os inúmeros silêncios feitos mundo afora em homenagem a equipe. Bastante recente para esquecer. Os torcedores presentes respeitaram o momento e em silencia pareciam sentir a dor novamente do que ocorreu no passado.

O jogo começou e as extremidades seguiam cantando e encorajando a equipe do PSG. Um mosaico enorme simbolizando o estádio se abriu do lado oposto (Tribuna Auteuil), bem como um ecoar de cantos se espalhava pelo estádio. Os animadores das organizadas, figuras comuns que ficam juntos aos Ultras, seguiam incansáveis e de costas para a partida. Isso é impressionante, pois parece que essa dinâmica é um processo pertencente ao continuum do jogo, faz parte do andamento da partida. É parte fundamental ser o 12º jogador. O torcedor faz pulsar o estádio como se fosse um coração batendo, dando vida. Lembrei a Geral dos estádios brasileiros

Tribuna Auteuil. Fonte: própria autora

O tempo todo se via bandeiras e echarpes e era possível ouvir cânticos de encorajamento. As extremidades não ficavam quietas, cientes da missão máxima de colocar a equipe avante. Inclusive os Ultras não pararam de cantar nem mesmo no intervalo. Várias canções “importadas”, inclusive uma do Boca Júnior e que eu consegui acompanhar cantando junto. Isso unia os Ultras e a partir do momento que equipe anfitriã fez um gol, esses cânticos aumentaram.

De costas os animadores dos Ultras. Fonte: Leandro Gavião

Mas as extremidades seguiam sozinhas na animação, pois nas laterais, Tribunas Paris e Presidentielle, os torcedores permaneciam sentados e a vibração só ocorria quando acontecia algum gol. Tinha uma sensação que todos que estavam nas laterais eram somente expectadores de um show e estavam ali só para apreciar. Talvez isso tenha acontecido pelo frio que fazia no dia ou mesmo por ser aquele lugar mais um atrativo turístico de Paris e muitos dos expectadores eram somente curiosos em ver uma partida de uma das equipes mais conhecidas da Europa.

Tribuna Presidentielle. Fonte: própria autora

Não senti nenhum clima de animosidade por parte dos Ultras, mas eles são muito vigiados o tempo todo pelos inúmeros seguranças do estádio. É um controle excessivo, mas talvez necessário, pois não sei o que ocorreu no passado. Eu sequer pude colocar os pés na cadeira da frente, pois suponho que isso não seja permitido, uma vez que ninguém fazia. Me senti intimidade, logo, não fiz nada que havia feito no estádio de Saint-Etiénne (pés nas cadeiras, ficar de pé o tempo todo etc). Não é legal mesmo colocar os pés em outra cadeira, mas estamos em um estádio, isso é apropriação, faz parte do lugar…

Seguranças no estádio. Fonte: própria autora

No intervalo a música é alta e o narrador/animador segue incentivando o “show”. Alguns torcedores selecionados puderam ir a campo chutar a bola no gol. Tudo pelo espetáculo e distração do expectador. No Brasil isso não acontece. A pessoa encarregada de falar nos estádios tem a única missão de informar.

A partida terminou PSG 5 x 0 Bastia o que já era previsto dada a superioridade da equipe anfitriã. Embora tivesse presenciado essa goleada, eu ainda pude ver o Cavani errar um pênalti. Momento impagável. Todos torcedores com sensação de frustração.

Não sei quantos torcedores do Bastia estavam presentes, mas o público total foi de 45 mil torcedores.

Finda a partida, segui o fluxo de torcedores. Misturei aos demais para me aquecer e ouvir as conversas pós-partida. Burburinhos e olhares de felicidades São sempre interessantes os relatos das falhas, dos acertos, da delícia de estar naquele lugar. Como isso me envolve.

Encontrei meus amigos para tomarmos uma cerveja em um dos poucos bares do entorno e fazermos os nossos comentários sobre a partida. Apesar do frio, foi uma tarde sensacional.

Em um breve resumo foi possível constatar que o presidente da equipe do PSG tem total razão: os Ultras realmente dão alma ao estádio.

A suivre…

Impressões sobre o estádio Geoffroy-Guichard

Natália Rodrigues de Melo est une jeune « tourismologue » brésilienne qui fait sa thèse à l’Université Fédérale de Rio de Janeiro au sein de la Faculté d’Architecture et d’Urbanisme. Son sujet de recherche porte sur l’analyse de l’ambiance des stades de football rénovés pour la coupe du monde 2014. Elle est accueillie au printemps 2017 à l’Institut d’Urbanisme de Grenoble et au laboratoire PACTE du CNRS. Le texte ci-dessous constitue  un travail d’observation situé du stade Geoffroy-Guichard de Saint-Etienne.

La consigne donnée est de décrire dans ses plus petits détails la journée au stade, à la façon de Pierre Sansot1: « prendre la décision de décrire, ce serait observer, se situer au plus près de ce qui se produit, être en intelligence avec ce qui s’offre : par exemple, ne pas omettre les détails que seule une longue pratique affectueuse relève, mémorise. […] La description s’attache à révéler ses mille nuances, ces détails qui semblent relever de l’anecdote et que l’on a tendance à négliger dans une micro-sociologie. Or, tous ces détails constituent la trame de la vie sociale à tel point qu’il n’y a pas grand chose à rechercher en dehors d’eux, derrière eux. […] Elle peut avoir une ambition plus grande : montrer comment à travers des comportements mineurs se dévoilent les gestes majeurs de l’Anthropos ».

 

O estádio Geoffroy-Guichard está localizado na cidade de Saint-Etienne, região de Auvergne Ródano Alpes. Tem capacidade para aproximadamente 42.000 espectadores e é conhecido como Le Chaudron ou L’Enfer Vert em referência ao time da casa, AS Saint-Etienne.

Fachada do estádio Geoffroy-Guichard. Façade principale de Geoffroy-Guichard

Para então conhecê-lo, a saga do dia 09 de abril de 2017 começou às 08h45 da manhã na linha A do VLT de Grenoble, estação Arlequin sentido Maison du Tourisme. Às 09h10 eu segui o caminho pelo VLT da linha B, Maison du Tourisme sentido Ile Verte.

Os Grenobloises, em sua maior parte, são bem simpáticos, porém são quietos, reservados. Assim, até meu destino final eu segui quieta até encontrar Jean-Michel e Louise. Um pouco mais adiante conheci Regis, Alberto e mais quatro crianças. Seguimos todos para Saint-Etienne.

Cidade de Saint-Etienne. Ville de St-Etienne, vue du Crêt-de-Roch.

O dia agradável, de sol ameno, vento fresco e casarões antigos, tornou a expectativa do jogo também agradável. Após um passeio e um almoço formidável na casa dos pais de Jean-Michel, seguimos finalmente para a partida Saint-Etienne x Nantes.

Caminhamos pelas ruas do entorno e era possível observar um “mar de gente” vestindo verde, todos sorrindo e certamente uma grande expectativa de vitória do time de Saint-Etienne. Todos caminhando em direção ao seu respectivo portão de entrada e o barulho que se ouvia era de pessoas conversando provavelmente sobre uma grande partida.

O dia azul e ensolarado, porém não muito quente, de uma tarde de primavera, contribuiu para a animação e para o grande público que estava no estádio para ver a partida do dia. As duas equipes ocupam a parte de cima da tabela, respectivamente 7ª e 8ª posições, no entanto, nenhum dos dois times tem chance de vencer o campeonato francês, ficando provavelmente com o time de Mônaco ou Paris Saint German. Dessa forma, a busca pelo estádio foi certamente motivada pela paixão ao clube, pela ambiência do estádio e o dia que estava proporcionando uma bela tarde de lazer.

Alguns torcedores estavam bebendo em alguns poucos quiosques do entorno, na espera do jogo. Era possível então sentir o cheiro dos petiscos e das bebidas, além de poder ouvir os barulhos de conversas e risos dos visitantes.

O Estádio, que foi construído em uma região de minas de carvão, foi recém reformado para a Euro 2016. Prezou-se pela ampliação do espaço, aumentando as fileiras de arquibancadas e as tribunas. Além disso, a grama foi melhorada, assim como a arquitetura em toda a sua fachada, modernizando um dos estádios mais antigos da França, inaugurado em 1931.

Entrada no portão sul do estádio. Queue pour la fouille à l’intérieur du stade.

Entramos pela tribuna sul do estádio. Enfrentamos uma pequena fila até chegarmos às catracas eletrônicas. Validamos o bilhete e passamos pela inspeção. Não queriam permitir a minha entrada com um carregador externo de bateria de celular, pois apresentava risco, caso eu quisesse jogá-lo em alguém do estádio. Ao final, consegui driblar o problema e finalmente entrei.

A entrada é ampla e ventilada. O local é bem sinalizado e indica corretamente os setores. A circulação dentro do estádio estava tranquila. Preferimos ficar na parte superior da tribuna, então subimos dois lances de escada até alcançarmos o local pretendido. Não seguimos a numeração da cadeira que estava no bilhete e ficamos onde havia espaço, assim como fazemos no Brasil, nos setores mais baratos.

A entrada é ampla e ventilada. Sous la tribune sud.

O estádio é composto por quatro tribunas, sendo duas delas com cadeiras numeradas e um restaurante (Área VIP). As outras duas tribunas, sendo uma de frente para a outra, correspondem ao espaço mais acessível do estádio, em que os ingressos são menos caros. Nelas estão as arquibancadas e o que lembra uma “geral” no Brasil. O “ultras” ou torcidas organizadas ocupam essas tribunas: de um lado os “Green Angels” e do outro os “Magic Fans”. Os valores giram em torno de 10 euros nas arquibancadas (preços mais baixos).

Ingresso da partida. Billet d’entrée, imprimé sur papier A4.

Nas tribunas leste e oeste os torcedores são mais quietos e permanecem sentados praticamente o tempo todo. Os espaços de circulação (as laterais das cadeiras) ficam todos disponíveis e as pessoas são espectadoras do jogo, assistindo calmamente a partida. No setor oeste ainda existe um restaurante, o único local do estádio que permite a venda de bebidas alcóolicas.

Nos setores norte e sul estão as torcidas organizadas ou como chamam os franceses “os Ultras”. Do lado sul o espaço é reservado para os “Green Angels” e do lado norte estão os “Magic Fans”. Ficamos no lado sul e foi possível perceber que existem mais bandeiras e um movimento circular com as flâmulas da equipe tricolor: verde, branco e preto. Os cânticos ecoam por todo o setor e os animadores não deixam que os torcedores se sentem e desanimem. Do outro lado, os “Magic Fans” são, em sua maioria, homens. Eles ficam sem as camisas e fazem um movimento de vai e vem entre eles. Cantam o tempo todo e, em alguns momentos da partida, eles cantam e fazem coreografia com o lado sul, ou seja, com os “Green Angels”. A sensação é de que uma onda atravessa o estádio e isso contagia o norte e o sul. Existe uma vibração em coro e um uníssono que impulsiona a equipe. É vibrante!

Tribuna norte. Magic Fans. Foto ilustrando a bandeira dos ultras e o nome de um torcedor morto: Olive. Kop nord lors du tifo en mémoire d’Olive, un ancien « MF ».

É interessante, pois assim como no Brasil, a maioria dos torcedores não se conhecem, mas é como se naquele instante eles fossem parte da mesma família. É um clima de solidariedade e ajuda mútua. O time depende de todos eles e todos eles sabem disso. A união nesse momento é o que mais importa.

O público da partida foi de 30 mil pessoas e a composição bastante mista: homens, mulheres, idosos e crianças. Apesar de toda uma mobilização das organizadas, o ambiente é de tranquilidade, pois Nantes não é o principal adversário do Saint-Etienne e a torcida foi praticamente única, uma vez que o time adversário teve permissão de 300 torcedores somente.

Tribuna norte (geral) e tribuna leste, cadeiras numeradas. Tribune nord (kop) et tribune est (places assises).

Há muitas bandeiras, flâmulas, hinos e coreografias para saudar e impulsionar a equipe. O espaço dos “ultras” é bastante territorializado, assim como fazem as torcidas organizadas no Brasil. O espaço de cada um é bem delimitado e, mesmo que sejam torcedores do mesmo time, eles precisam respeitar os limites e a maneira de torcer da cada um. Uma situação em particular chama bastante a atenção, a torcida dos “Green Angles” produz um jornal impresso para os torcedores no qual é narrado os pontos principais sobre a partida do dia, as próximas partidas e a classificação da primeira liga. O principal rival, Lyon, é sempre referenciado com letras minúsculas, ratificando o desprezo e rivalidade.

Jornal dos torcedores Green Angels. Fanzine des Green Angels.

Nas tribunas sul e norte não há obediência à numeração dos assentos e os torcedores ficam de pé sobre esses mesmos assentos para ter maior visibilidade do campo, já que durante a partida ninguém se senta, exceto nas tribunas mais caras. Não é possível querer seguir uma ordem nem mesmo existe uma vontade para isso. O ambiente é bastante convidativo a fazer parte, a sentir a ambiência e a torcer junto.

A partida do dia 09 acabou em empate, 1 x 1, mantendo as equipes na mesma posição da tabela. Ao sairmos do local, apesar do empate, seguimos em clima de paz. Assim como na ida, a volta é feita pelas ruas próximas ao entorno, onde os carros ficam estacionados. Ao final todos seguem indo embora para o seu destino.

Em comparação ao Brasil eu sinto que as diferenças são poucas quando se trata da partida no estádio de Saint-Etinne e com os torcedores da equipe homônima. Os estádios têm preços igualmente altos, mas no Brasil o poder aquisitivo é menor e vemos, cada vez menos, um espaço ocupado pelo “povão”. O estádio tem se tornado um espaço de segregação, mas na contramão, buscamos reivindicar mais acessibilidade do grande público e/ou ocupar outros estádios de menor tamanho e que possibilitem preços mais acessíveis.

Torcedores de pé sob os assentos das arquibancadas. Supporteurs préférant rester debout en tribune populaire.

Apesar da espetacularização que o futebol vem sofrendo, é muito difícil uma paixão ser ofuscada. Ao final, me senti empolgada com o jogo que presenciei e me restou a impressão de que o futebol é fenômeno social e acolhedor em qualquer parte do mundo, mesmo com as rivalidades. A frase de ordem que ainda ecoa dentro de mim é Allez les Verts!!!

 

Eléments de comparaison avec le Brésil
Voici maintenant, un résumé analytique du texte en portugais, fruit d’une lecture et d’un échange avec l’auteur. 


A écouter Natália Rodrigues de Melo, ce qui distingue un tel match de championnat par rapport à un équivalent au Brésil tient d’abord dans l’atmosphère sereine (clima de paz) qui se dégage des abords du stade, à l’entrée à la sortie du public et dans les tribunes.

Le contexte joue, bien entendu, un grand rôle. Il n’y a pas d’animosité particulière entre les supporteurs des deux équipes, et de plus, les autorités ont restreint le déplacement des supporteurs nantais à 300 personnes maximum. De fait, ils ne sont qu’une poignée dans leur parcage. Le match se joue un dimanche après-midi de printemps. Plus de 30 000 personnes assistent au match, beaucoup arborant les couleurs du club – vert, blanc, noir – et créent une « marée verte » (um “mar de gente” vestindo verde).

Pour l’auteur, les gens sont probablement plus attirés par la passion du club et l’ambiance du stade que par une quelconque perspective sportive, les supporteurs qu’elle rencontre avant le match ne croyant guère  à une qualification européenne, pourtant encore mathématiquement possible.  Elle souligne que les clubs n’existent guère que par cette passion qu’ont les supporteurs pour leur équipe; passion qui transforme le « spectacle » en un rituel presque sacré.

L’entrée au stade lui semble facile: une petite attente au guichet, des billets électroniques et la surprise de se voir interdire une batterie de téléphone portable (risque de jet)… mais qui sera finalement acceptée2. Le stade lui apparaît comme bien conçu avec ses entrée amples et ouvertes, une circulation aisée dans l’enceinte et une bonne signalisation. Il apparaît comme ayant – toujours – quatre tribunes qui se font face: deux (arquibancadas) avec sièges numérotés (cadeiras numeradas) et espace VIP ; deux sans numérotation des places et sans restaurant mais où les gens continuent de se mettre debout (gerals).
Le public est lui aussi affaire de surprise. L’auteur découvre les ultras, une forme de supportérisme organisé comme au Brésil avec les torcidas organizadas. L’espace des ultras est bien délimité et la chorégraphie rappellent celles des torcidas . Elle note qu’ils chantent pratiquement tout le temps; des chants repris par la tribune et qui parfois se répondent d’une tribune populaire à l’autre, créant une sensation d’ondes se répandant dans tout le stade (a sensação é de que uma onda atravessa o estádio e isso contagia o norte e o sul). Se dégage aussi une impression de solidarité entre les supporteurs sans qu’ils semblent se connaître. Les rapports sociaux lui semblent particulièrement paisibles et le stade un lieu de mixité avec non seulement des hommes mais aussi des femmes, des adolescents et des enfants.
Le prix modique des billets par rapport au pouvoir d’achat, dix euros, est en fin souligné tandis que les prix ont flambé au Brésil ces dernières années, à la grande surprise et au désespoir des Brésiliens les plus modestes, qui se trouvent exclus d’un stade et d’un spectacle auquel ils contribuaient pourtant. L’obtention de stades plus familiaux et sécurisés s’est faite, comme en Angleterre, au prix de l’éviction des plus modestes…
Au final, un beau (contre) exemple aux violences de la semaine suivante au Parc OL et au stade de Furiani.

 

Texte en portugais (Brésil) et photographies de Natália Rodrigues de Melo; introduction et éléments de comparaison (en français) de Jean-Michel Roux.

A suivre…

A lire aussi sur les ambiances des stades français et brésiliens: High Fidelity.

  1. Pierre SANSOT, Les formes sensibles de la vie sociale, Paris : PUF, collection La politique éclatée, 1986, pp. 66-67 []
  2. Le stadier fait preuve de compréhension devant l’explication que la batterie sert à un travail universitaire d’une Brésilienne []

The more I explore stadiums. Ch. Gaffney

Christopher Gaffney est géographe, enseignant-chercheur et journaliste d’investigation américain. Il a été professeur invité à l’Ecole Supérieure d’Architecture et d’Urbanisme de l’Université Fédérale Fluminense de Rio à Niterói (Brésil) ou plus récemment à l’EPF de Zurich (Suisse). Les stades sont son terrain d’étude favori depuis 2004. Il est l’auteur du remarquable Temples of the Earthbound Gods (University of Texas Press, 2008, non traduit) dans lequel il s’intéresse à l’histoire et la géographie culturelle des stades de Rio de Janeiro et Buenos Aires comme prisme pour comprendre l’évolution des paysages urbains depuis la fin du XIXe siècle.

The more I explore stadiums, the larger they became and the more I found. Unfortunately, I can no longer experience them unconsciously, and after reading this book neither will you. A stadium, even a very small one, is an incredibly complex  ”thing” – nearly impossible to describe its entirety, each one requiring a deep reading of the cultural landscape”. […]

The complexities of the stadium extend well beyond geographic inquiry into the realms of imagination, city planning, governance and taxation, architecture, environmental studies, transportation infrastructure, sewage, electricity, horticulture, security and surveillance, ticketing, marketing, player migration patterns, international trade agreements, citizens’ rights groups, eminent domain law, global capital, local, regional, national and cultural identities, gender performance, geopolitical conflicts, and global mega-events, to name more than a few. (…)

Obviously, stadiums are built so that we can perform and patronize sport, but the ways in which stadiums are constructed, managed, experienced, and understood are as different as the events they host. The meanings and histories they contain, represent, and produce are inseparable from the cultures in which they exist. As fundamental elements of the urban cultural landscape, stadiums impart ideological messages wrapped in discursive frameworks that are in turn informed by multiscalar geographic processes. Which is to say that the more we look at and think about stadiums, the more complex they become. By using stadiums as lenses to observe cultures, we survey historical, economic, political, sociocultural, technological, and globalizing processes as they are expressed on the local level.

Christopher GAFFNEY, Temples of the Earthbound Gods. Stadiums in the Cultural Landscapes of Rio de Janeiro and Buenos Aires, preface pp. iv-xv.

Lire aussi l’interview de Ch. Gaffney dans la revue Urbanisme « Les stades du Mondial seront des éléphants blancs » dans « Publications & communications ».

High fidelity

As a French Urban designer and a regular attendee at games of ASSE, attending a football game in Brazil at Estádio Palestra Itália[1] (Palmeiras, Saõ Paulo), gives the opportunity to verify if the atmosphere of “fans” and ultras in French stadia can match their distant models the “torcidas organizadas” from Brazil.

Façade principale de Geoffroy-Guichard
Façade principale de l’Estádio Palestra Itália

In Stade Geoffroy-Guichard (St-Etienne) as in Estádio Palestra Itália (Palmeiras), stadia are getting old and more or less decrepit. Often patched up since their construction in the 1930s, the popular stands have rare privileges nowadays. You still can watch the game standing in the terraces (gradins or arquibancadas) and they are even close enough to the pitch to smell the wet grass.

In contrast to the modern sports arenas so often located on the outer fringes of cities, they are situated in their city and also afford a view on it. At Saõ Paulo, the Estádio Palestra Itália is constructed in the Greek style of the Olympic Games, a horseshoe shaped bowl. The stadium stages the city landscape: in the foreground there are palm trees symbolising the club and in the background the vista is the skyline made of favelas and skyscrapers.

The Estádio Palestra Itália and its urban landscape

In France the Stade Geoffroy-Guichard is an English-style stadium with four grandstands staring at each other across the pitch. Between the stands the vista comprises the city factories, bars and towers and affords panoramas of the surrounding hills. In both cases, there is the same coupling of verticality and horizontality.

Geoffroy-Guichard and its industrial background

In both stadia, heterogeneous groups of fans are the main factors of atmosphere. They are massed in the popular stands and are gathered in torcidas organizadas or ultras sections. Their singing is powerful and polyphonic and carries a national reputation. The rhythm of their bands (drums, choirs) can be monotonous or hectic according to match scenario and they continue regardless of the opposing teams’ goals. The same rhythms are to be found in both stadia (sambas[2], macarena, Manu Chao, etc.) even if musical references are rarely common.

There is on the other hand a difference between the areas allocated to visitors. While in St-Etienne the away stand is situated in the grandstand, physically closed and in visually contact with the home fans in the main kop, the visitors of the Palestra Itália are placed at the end of the horseshoe, far from eyes and from the hearts of paulistes’ torcidas. Plastic covers and advertisements prevent any hope of opposing fans locking glances or making physical contact.

In both stadia emblems and flags of the supporters make similar references to the bad boys of comics such as Bart Simpson, Satanas and Diabolo or Mancha negra[3] (Phantom Blot). More surprising is the flag of the house of Savoy[4] which flies in both stadia. This similarity has arisen because of the Savoyard origins of certain fans of the AS St-Etienne and the Italian background of the club of Palmeiras called back by the flag of the house of Savoy.

Mancha negra

From a simple view of this comparison, we can advance the idea that the atmosphere of the big French stadiums show a « high fidelity » with their distant Brazilian models. With the new ultramodern and secure arenas promised by France and Brazil for their future international competitions, could these remarkable atmospheres be exploited to enrich the new models of stadia design? The projects of current stadia almost never take into account the notion of atmosphere. They are mainly interested in the constructed dimension and in the exploitation of spectators as consumers. This attitude results in a double phenomenon in new stadia design: an improvement of the architectural quality but with the progressive impoverishment of the qualities of uses and emotions.

Drapeau de la Torcida academica da Savoia


N.B. This article has been written in 2010 for  www.ambiances.net, March 2010. It refers to Geoffroy-Guichard before the Euro 2016’s modifications. The Estádio Palestra Itália has been demolished in November 2010…

[1] Also called Parque Antártica.
[2] Mancha verde, one of Palmeiras torcidas, is also a school of samba.
[3] Mancha negra is an enemy of Mickey, more active in Brazil than the ‘French’ Pat Hibulaire.
[4] The club was established by Italian immigrants and is called Palestra Itália up to the Second World War.

Cite this article as: Jean-Michel ROUX, High fidelity, in Au stade des villes, 09/02/2017, https://stade.hypotheses.org/18.