Groupama stadium

Après plusieurs années de recherche, le club de Lyon vient d’officialiser le 12 juillet 2017 la signature de la convention de naming de son nouveau stade de Décines. Exit le Stade des Lumières ou le Parc OL, veuillez dire maintenant le Groupama Stadium.

Suivant l’exemple des clubs nord-américains, britanniques ou allemands, certains clubs français cherchent de plus en plus à diversifier leurs sources de revenu et les rendre pérennes sur plusieurs années en pratiquant le naming. Cet anglicisme désigne une pratique qui consiste à renommer temporairement – généralement une dizaine d’années –  un équipement sportif du nom d’un mécène. La pratique n’est pas récente. Le pionnier français est Le Mans (MUC 72) qui obtient des Mutuelles MMA, dès 2007, quelques 10 millions d’euros sur 10 ans pour son nouveau stade.

Les sommes récoltées en France sont généralement très en-dessous de ce que les entreprises anglo-saxonnes acceptent d’investir.  En 2011, « La banque américaine JP Morgan a ainsi déboursé 300 millions de dollars (220 millions d’euros) sur 10 ans pour prêter son nom au Madison Square Garden des New-York Knicks (NBA). »1 Les principaux contrats signés à ce jour en France  ne concernent que des assureurs et ne dépassent guère les 20 millions d’euros sur 10 ans, comme pour le Matmut Atlantique de Bordeaux en 2015. Des chiffres qui ont certes doublé en 8 ans, tout en restant très bas… au point que certains clubs préfèrent parier sur leur nom historique (PSG et son Parc-des-Princes) ou choisissent à contre-courant de continuer d’honorer anciennes gloires locales (stade Jean-Bouin d’Angers renommé en 2017 Raymond-Kopa ou stade Pierre-Mauroy de Lille).

L’Olympique Lyonnais cherchait depuis 18 mois un mécène pour le naming du nouveau stade de Décines, un mécène capable de s’engager sur un « partenariat industriel global, moderne et innovant » pour reprendre les termes du club. D’après Lyon Capitale, l’objectif visé, 8 à 10 millions d’euros par an ne sera pas atteint, même si le contrat devrait osciller, selon les résultats sportifs entre 5,5 et 7 millions d’euros. Il inclurait aussi le naming du centre d’entraînement (Groupama OL Training Center) et celui du centre de formation (Groupama OL Academy), qui rapportait jusqu’ici un million d’euros par an. La confidentialité de l’accord ne permet pas de savoir si le sponsoring maillot entre en compte.

Selon le club, l’assureur verra son nom associé non seulement à l’extérieur du stade mais aussi « dans l’arène, sur le parcours des clients VIP et du grand public, ainsi que dans les zones sportives, et permettra à Groupama Rhône-Alpes Auvergne d’utiliser l’image du stade pour promouvoir ses offres et services. Groupama Rhône-Alpes Auvergne bénéficiera (…) d’un dispositif réceptif d’envergure lors de tous les événements organisés au Groupama Stadium, avec l’utilisation des espaces 365 jours par an ».

La durée du contrat, trois ans seulement, alors que ce type de mécénat s’étend généralement sur dix ans, laisse quelque peu interrogatif, tout comme les objectifs de la « structure commerciale commune » qui sera créée dans le cadre du partenariat.

Il ne faudra pas confondre le Groupama Stadium, à Décines, et le Groupama Aréna… le stade du Ferencváros TC situé à Budapest (Hongrie) et qui a été construit à l’emplacement du Stade Flórián Albert, ancien stade du club, démoli en 2013.

L’entrée principale du Groupama Aréna avec la statue de Flórián Albert (à gauche) et la statue de Ferenc Springer (à droite). source: Kispados, wikipédia hongrois

Après le MMArena du Mans, le Matmut Atlantique de Bordeaux, l’Allianz Riviera de Nice, les assureurs prennent de l’assurance dans le naming des stades de football français. L’assurance que le spectacle sera au rendez-vous?

Cite this article as: Jean-Michel ROUX, Groupama stadium, in Au stade des villes, 14/07/2017, https://stade.hypotheses.org/712.
  1. «Le “naming” débarque en France… avec ses contradictions», France 24, 27 janvier 2011 []

Impressões sobre o estádio Stade des Alpes

Natália Rodrigues de Melo est une jeune « tourismologue » brésilienne qui fait sa thèse à l’Université Fédérale de Rio de Janeiro au sein de la Faculté d’Architecture et d’Urbanisme. Son sujet de recherche porte sur l’analyse de l’ambiance des stades de football rénovés pour la coupe du monde 2014. Elle est accueillie au printemps 2017 à l’Institut d’Urbanisme de Grenoble et au laboratoire PACTE du CNRS. Le texte ci-dessous constitue  un travail d’observation situé du Stade des Alpes (Grenoble) lors d’un match décisif pour la montée du GF38 du CFA en National (de la 4e à la 3e division nationale).  Quatrième et dernière étape d’un travail commencé au stade Geoffroy-Guichard de Saint-Etienne et poursuivi au Parc Olympique Lyonnais de Décines et au Parc-des-Princes de Paris.

 

O Stade des Alpes foi inaugurado em 2008 e está situado na cidade de Grenoble, região Rhone Alpes. O equipamento fica na borda do Parc Paul-Mistral e foi construído no espaço do antigo Stade Charles-Berty destruído em 2003.

Stade des Alpes e a ambiência do Parc Paul Mistral. Fonte: própria autora

A maior parte da população da cidade não aprovou a construção do estádio alegando que, por não haver tradição de futebol, ele se tornaria um “elefante branco” e um desastre financeiro. Logo, para justificar sua importância, além da equipe Grenoble Foot 38, em 2014 o estádio foi transformado em sede do FC Grenoble Rugby e da equipe de hockey Brûleurs de Loups, nos jogos de inverno.

A população também fez objeção ao estádio pela sua localização no centro da cidade, que poderia causar muito engarrafamento em dias de jogo, poluição sonora, poluição visual, bem como poderia destruir cerca de 200 árvores antigas que ficam no parque ao lado.

Uma vez aceito pela população, o estádio deveria ser construído prezando pelo meio ambiente, transparência de sua estrutura física e ter portões que abrem em dias cotidianos e se fecham enquanto acontecem as partidas. O acesso é feito pelo tram e não há estacionamento no local.

Fui conhecer o equipamento no dia 13 de maio, às 18 horas, em uma partida do Grenoble Foot 38 conta a equipe Le Puy. Era um jogo decisivo que poderia levar a equipe anfitriã da quarta divisão do Campeonato Francês para o “National” ou terceira divisão.

No Parc Paul Mistral é possível sentir a natureza por perto, um cheiro bom que sai das árvores. Logo na descida da linha C do Tram é possível avistar o estádio e o grande número de torcedores que ficam em volta. Além do odor do mato e das árvores, há um misto de cheiro de cerveja e comida que os torcedores se deleitam. É uma atmosfera de jogo e não poderia ser diferente.

O azul e branco da equipe Grenobloise era visto em camisas e bandeiras por todos os cantos, mas principalmente em echarpes, já que o dia estava frio e a maioria das pessoas estava usando casaco em tom neutro, como preto e cinza.

Bandeira distribuída no estádio. Fonte: própria autora

A entrada do estádio é feita pelas portas que se fecham em dias de jogo e acessamos primeiramente pelos seguranças e depois subimos as escadas que dão acesso diretamente às cadeiras. A visibilidade do campo não é total, como nas arenas, logo, quem fica em determinados locais do equipamento, como nas partes inferiores, não consegue acompanhar todo o campo de visão da partida.

Acesso ao estádio. Fonte: própria autora
Os Ultras Red Kaos. Fonte: própria autora

Diferentemente das outras partidas, os Ultras não ficam nas extremidades do estádio, pois elas estavam fechadas. Dessa forma, somente as tribunas Sud e Nord foram ocupadas. A distribuição de torcedores no espaço, que tem capacidade para aproximadamente 20.000 torcedores (25 mil quando abre para a capacidade total), fica esquematizada da seguinte maneira: Tribune Sud : 4 000 places, Tribune Nord : 6 000 places, Tribune Est : 5 000 places, Tribune Ouest : 5 000 places, Tribune presse : 68 places.

Todos estavam próximos e o local estava muito cheio. Era um misto de alegria com expectativa para uma partida decisiva para a equipe anfitriã. Os Ultras, conhecidos como Red Kaos não se calavam e davam musicalidade ao ambiente, além da evidência das cores da equipe.

O estádio transparente me dava a visibilidade dos Alpes e isso fazia daquele ambiente uma pintura, um quadro. Era difícil me concentrar na partida ao mesmo em tempo que aquela paisagem estava bem ali, bela na minha frente.

O estádio e as montanhas. Fonte: Group 38

Como em todas as partidas na França é possível acompanhar o tempo e o placar por grandes telas que ficam nos cantos do estádio. Esse jogo não tinha locutor como no jogo do PSG, mas uma pessoa que falava de coisas pontuais e importantes da partida, como o início, cartões, expulsões etc.

No intervalo a música estava muito alta e isso atrapalhava muito de conversar sobre a partida, os melhores momentos e assuntos triviais. Incomodava bastante. No Brasil é praxe recente ter músicas nos intervalos, acredito que tenha sido depois da Copa do Mundo, mas nada tão alto que chegue a atrapalhar.

Havia muitas crianças no estádio e que ficavam correndo de um lado para o outro. Jogavam papel para todos os lados e não se concentram no jogo. Coisas de crianças.

Ficamos nas cadeiras da parte inferior no primeiro tempo da partida, mas depois subimos para que pudéssemos ter melhor visibilidade do jogo. Acessamos o nível mais alto pulando as próprias cadeiras me fazendo lembrar dos jogos que ia no Mineirão, antes da reforma.

Disposição das cadeiras. Fonte: própria autora

Assim como nas outras partidas, foi possível ouvir um cântico Argentino, mais especificamente da equipe do Boca Juniors e que “viralizou” mundo afora. Os papéis picados também é inspiração Argentina e o estádio estava pleno deles, “os papelitos”. Cores, papéis, cânticos, bandeiras, gritos, euforia, enfim, uma atmosfera incrível de uma partida decisiva de futebol.

Assim como acontece com a equipe do Saint-Etiénne, os torcedores da equipe de Grenoble também confecciona um jornal para falar das partidas, classificação e demais assuntos sobre o futebol.

Jornal dos torcedores. Fonte: própria autora

Ao final, a equipe Grenoble Foot 38 conseguiu colocar 10 mil torcedores no estádio e ascender para o National. Foi uma tremenda festa. Várias fumaças coloridas, papelitos voando, a equipe saudando os torcedores. Uma enorme emoção! Acessamos o gramado para comemorarmos juntos. Me senti parte do espetáculo. Nem o frio incomodava mais. Incrível!

Comemoração. Fumaça dos Ultras e a equipe saudando os torcedores. Fonte: própria autora
“Invasão” do campo pelos torcedores que comemoram o título. Fonte: própria autora

Impressões sobre o estádio Parc des Princes

Natália Rodrigues de Melo est une jeune « tourismologue » brésilienne qui fait sa thèse à l’Université Fédérale de Rio de Janeiro au sein de la Faculté d’Architecture et d’Urbanisme. Son sujet de recherche porte sur l’analyse de l’ambiance des stades de football rénovés pour la coupe du monde 2014. Elle est accueillie au printemps 2017 à l’Institut d’Urbanisme de Grenoble et au laboratoire PACTE du CNRS. Le texte ci-dessous constitue  un travail d’observation situé du Parc-des-Princes de Paris lors d’un match de championnat entre PSG et le SC Bastia. Troisième étape d’un travail commencé au stade Geoffroy-Guichard de Saint-Etienne et au Parc Olympique Lyonnais de Décines.

 

O Estádio Parque dos Príncipes foi reformado para a Euro 2016 e custou em torno de 75 milhões de euros. O equipamento ocupa uma área de 70 mil metros quadrados e tem capacidade para 48 mil torcedores. Foi inaugurado em 1972 e pertence à prefeitura da cidade de Paris. É palco de jogos de rugby, mas principalmente abriga partidas de uma das equipes de futebol mais fortes da França, o Paris Saint-German.

A equipe do PSG faz parte do grupo Qatar Sports Investments e, por esse investimento milionário vindo dos Emirados Árabes, a estrutura do clube também mudou e os torcedores, por consequência, passaram a ser mais selecionados pelos altos preços dos ingressos cobrados nas partidas do seu time.

Antes dessa negociação, porém, as torcidas organizadas, aqui chamadas de Ultras, ficaram impedidas de acessar o estádio desde 2010. A medida se deu devido a episódios de violência causados por elas. No entanto, o então presidente do clube Nasser Al-Khelaifi pediu a volta dos Ultras ao estádio, pois disse que o mesmo tinha “perdido a alma” e os novos torcedores não “sabiam torcer”. Em negociação com a polícia parisiense, foi permitido o retorno dos Ultras no ano de 2016.

O jogo que eu estava indo presenciar era do segundo colocado da Ligue 1 do campeonato francês, PSG, contra o último colocado, Bastia, para a antepenúltima rodada. Era uma tarde de sábado, dia 06 de maio, e eu seguia para a estação do metrô Colonel Fabien sentido estádio Parque dos Príncipes. Encontrei dois amigos brasileiros e seguimos juntos.

O metrô seguia com torcedores, a maioria uniformizado, mas nenhum deles estava cantando ou aparentemente empolgado. O Paris estava praticamente sem chances de ganhar o campeonato, pois no jogo anterior havia perdido para a equipe de Nice e se distanciado do primeiro colocado, Mônaco.

Ao chegar no estádio a emoção tomou conta, pois sempre quis conhecer o tão famoso Parc des Princes. Logo me deparei com uma arquitetura que me lembrou o Mineirão e, dessa forma, mais encantada eu fiquei.

Fachada do estádio Parc des Princes. Fonte: própria autora

Fazia muito frio e estava chovendo um pouco no entorno, talvez por isso os torcedores seguiam diretamente para dentro do estádio. O acesso é muito fácil e havia muitos informantes. As pessoas bebiam, mas não vi muitos bares por perto. Não havia tendas de comida, nem mesmo o cheiro dela por perto. Era somente o aroma de folhas molhadas das árvores que prevalecia no ar.

Fiquei na Tribuna Boulogne, uma das extremidades do estádio. Essa tribuna faz oposição à Tribuna Auteuil, mas em ambas ficam lotados os Ultras. É comum os estádios franceses terem essa divisão: as tribunas das extremidades comportam os Ultras e nas tribunas laterais ficam os demais torcedores e expectadores de comportamento mais reservado e calmo.

Como me separei dos meus amigos – eles compraram ingresso para a Tribuna Auteuil – eu preferi ficar em um local mais tranquilo para poder observar. Não tive que seguir a numeração do meu ingresso – assim como sempre faço no Brasil – então isso facilitou bastante a escolha de um local mais tranquilo. Sentia muito frio onde estava, mas em momento algum desfez meu encantamento. Eu estava realizando um sonho! O estádio é muito monumental como tudo em Paris. A dimensão dele me fez sentir pequena diante de tamanha imensidão.

Panorâmica da parte interna do estádio Parc des Princes. Fonte: Leandro Gavião

Muitas crianças circulavam no gramado, mas nas cadeiras não havia muitas delas. Presença maciça de homens e somente algumas figuras femininas e infantis. Uma espécie de narrador/animador fala o tempo todo o que me lembrou uma partida de vôlei no Brasil. Ele incentiva os torcedores a gritarem os nomes dos jogadores enquanto eles vão sendo apresentados. É como se fosse um ritual, o primeiro nome é falado pelo narrador e o segundo nome é gritado pelos torcedores. As pessoas ficam eufóricas com o momento. Apesar desse sentimento de algo mecânico da necessidade de um narrador/animador, é empolgante sentir a torcida vibrando com o momento.

Antes do início efetivo do jogo os jogadores fizeram um minuto de silêncio pelo ocorrido no estádio do Bastia em 1992, o chamado L’Enfer de Furiani. 25 anos de uma tragédia que matou alguns torcedores pela queda de uma das partes do estádio. Um silêncio triste que me remeteu ao acidente trágico da Chapecoense e os inúmeros silêncios feitos mundo afora em homenagem a equipe. Bastante recente para esquecer. Os torcedores presentes respeitaram o momento e em silencia pareciam sentir a dor novamente do que ocorreu no passado.

O jogo começou e as extremidades seguiam cantando e encorajando a equipe do PSG. Um mosaico enorme simbolizando o estádio se abriu do lado oposto (Tribuna Auteuil), bem como um ecoar de cantos se espalhava pelo estádio. Os animadores das organizadas, figuras comuns que ficam juntos aos Ultras, seguiam incansáveis e de costas para a partida. Isso é impressionante, pois parece que essa dinâmica é um processo pertencente ao continuum do jogo, faz parte do andamento da partida. É parte fundamental ser o 12º jogador. O torcedor faz pulsar o estádio como se fosse um coração batendo, dando vida. Lembrei a Geral dos estádios brasileiros

Tribuna Auteuil. Fonte: própria autora

O tempo todo se via bandeiras e echarpes e era possível ouvir cânticos de encorajamento. As extremidades não ficavam quietas, cientes da missão máxima de colocar a equipe avante. Inclusive os Ultras não pararam de cantar nem mesmo no intervalo. Várias canções “importadas”, inclusive uma do Boca Júnior e que eu consegui acompanhar cantando junto. Isso unia os Ultras e a partir do momento que equipe anfitriã fez um gol, esses cânticos aumentaram.

De costas os animadores dos Ultras. Fonte: Leandro Gavião

Mas as extremidades seguiam sozinhas na animação, pois nas laterais, Tribunas Paris e Presidentielle, os torcedores permaneciam sentados e a vibração só ocorria quando acontecia algum gol. Tinha uma sensação que todos que estavam nas laterais eram somente expectadores de um show e estavam ali só para apreciar. Talvez isso tenha acontecido pelo frio que fazia no dia ou mesmo por ser aquele lugar mais um atrativo turístico de Paris e muitos dos expectadores eram somente curiosos em ver uma partida de uma das equipes mais conhecidas da Europa.

Tribuna Presidentielle. Fonte: própria autora

Não senti nenhum clima de animosidade por parte dos Ultras, mas eles são muito vigiados o tempo todo pelos inúmeros seguranças do estádio. É um controle excessivo, mas talvez necessário, pois não sei o que ocorreu no passado. Eu sequer pude colocar os pés na cadeira da frente, pois suponho que isso não seja permitido, uma vez que ninguém fazia. Me senti intimidade, logo, não fiz nada que havia feito no estádio de Saint-Etiénne (pés nas cadeiras, ficar de pé o tempo todo etc). Não é legal mesmo colocar os pés em outra cadeira, mas estamos em um estádio, isso é apropriação, faz parte do lugar…

Seguranças no estádio. Fonte: própria autora

No intervalo a música é alta e o narrador/animador segue incentivando o “show”. Alguns torcedores selecionados puderam ir a campo chutar a bola no gol. Tudo pelo espetáculo e distração do expectador. No Brasil isso não acontece. A pessoa encarregada de falar nos estádios tem a única missão de informar.

A partida terminou PSG 5 x 0 Bastia o que já era previsto dada a superioridade da equipe anfitriã. Embora tivesse presenciado essa goleada, eu ainda pude ver o Cavani errar um pênalti. Momento impagável. Todos torcedores com sensação de frustração.

Não sei quantos torcedores do Bastia estavam presentes, mas o público total foi de 45 mil torcedores.

Finda a partida, segui o fluxo de torcedores. Misturei aos demais para me aquecer e ouvir as conversas pós-partida. Burburinhos e olhares de felicidades São sempre interessantes os relatos das falhas, dos acertos, da delícia de estar naquele lugar. Como isso me envolve.

Encontrei meus amigos para tomarmos uma cerveja em um dos poucos bares do entorno e fazermos os nossos comentários sobre a partida. Apesar do frio, foi uma tarde sensacional.

Em um breve resumo foi possível constatar que o presidente da equipe do PSG tem total razão: os Ultras realmente dão alma ao estádio.

A suivre…

Impressões sobre o estádio Parc Olympique Lyonnais

Natália Rodrigues de Melo est une jeune « tourismologue » brésilienne qui fait sa thèse à l’Université Fédérale de Rio de Janeiro au sein de la Faculté d’Architecture et d’Urbanisme. Son sujet de recherche porte sur l’analyse de l’ambiance des stades de football rénovés pour la coupe du monde 2014. Elle est accueillie au printemps 2017 à l’Institut d’Urbanisme de Grenoble et au laboratoire PACTE du CNRS. Le texte ci-dessous constitue  un travail d’observation situé du Parc Olympique Lyonnais de Décines, réalisé le 10 mai 2017, lors du match retour de la demi-finale de League Europa entre l’OL et l’Ajax d’Amsterdam.

 

O Parc Olympique Lyonnais é um estádio que foi construído para a Euro 2016. A obra começou em 2007 e tem a própria equipe do Lyon como gestora. Tem capacidade para 59 mil torcedores e além do futebol, o espaço acolhe também outros eventos esportivos como rugby e eventos culturais diversos.

Em termos de capacidade ele é o terceiro estádio da França e a sua construção se deu para evidenciar a cidade de Lyon como a segunda cidade do país e sua importância perante as grandes metrópoles europeias. Em meio a polêmica de sua aceitação ou não pelos moradores da região, dada a construção em um espaço de plantação agrícola, o equipamento foi erguido pelo valor total de 640 milhões de euros e tem financiamento privado pelo Olympique Lyonnais e público pela prefeitura de Lyon que financiou as melhorias de acesso e o projeto urbano do entorno.

O jogo era em uma quarta-feira, dia 10 de maio de 2017, parte da semifinal da Europa League, partida de volta entre Lyon e Ajax, essa última uma equipe holandesa. A equipe do Lyon precisava ganhar por pelo menos três gols de diferença para seguir classificada.

Seguimos eu e um amigo francês torcedor do Olympique Lyonnais rumo à cidade de Lyon. Fomos de carro por aproximadamente 01 hora de viagem. Chovia muito o tempo todo e fazia bastante frio. Saímos às 18 horas de Grenoble e a partida estava marcada para começar às 21 horas.

O frio continuava intenso no estacionamento em que descemos para que pudéssemos pegar a “navette” que faz o trajeto até o estádio. Essa pode ser considerada a melhor opção para acessar o equipamento, pois o trânsito até o local é intenso e o ônibus especial tem uma faixa exclusiva. Havia uma fila enorme de torcedores e somente quem possuía ingresso da partida tinha a possibilidade de utilizar esse ônibus.

Fila de torcedores para acessa as “navettes”. Fonte: própria autora
Os torcedores entro da “navette”. Fonte: própria autora

Como o estádio fica aproximadamente nove minutos de distância utilizando esse meio de transporte, foi possível para apreciar bastante a paisagem no trajeto. A chuva havia cessado e foi possível ver o sol se pondo e as flores que estavam no caminho estavam colorindo o local de deslocamento. Dentro do ônibus havia burburinho de torcedores que citavam a expectativa de um grande jogo, e, mesmo com a grande desvantagem da equipe do Lyon, que deveria ganhar de três gols de diferença do adversário – pois havia perdido a primeira partida por 4 x 1 na Holanda – era possível perceber um sentimento de que poderia “dar certo” para os Lyonnais. É a famosa esperança do torcedor. Sinto a mesma coisa com a minha equipe no Brasil.

Jogo decisivo e a torcida estava em massa no estádio. As pessoas bebiam bastante, mas não há bares por perto. Elas carregavam fardos de cerveja e isso deixava o ambiente com cheiro de cerveja. Não vi nem senti cheiro de comida na parte exterior do estádio, pois não há bares nem mesmo quiosques.

Torcedores chegando no estádio. Fonte: própria autora

A entrada ao estádio foi vibrante. A maioria dos torcedores cantava, pulava e vibrava bastante com a possibilidade de uma final da equipe do Lyon. A entrada das mulheres e crianças era separadas da entrada homens. A fila dos homens estava maior do que a fila das mulheres, como esperado. Ao passar pela checagem dos seguranças havia a possibilidade de colocar as cores da equipe no rosto e eu ostentei o bleu et rouge no meu rosto como uma legítima “supporteuse”. Isso foi importante para que eu me sentisse parte do espetáculo que estava por vir.

Com as cores da equipe no rosto. Fonte: própria autora

Assim como na maioria dos estádios franceses a territorialização no Parc Olympique Lyonnais é a mesma com relação aos Ultras. Eles ocupam as extremidades do estádio e tem os animadores responsáveis por inflamar os torcedores o tempo todo, inclusive no intervalo. Como de costume, eles ficam o tempo todo de costas para a partida. As tribunas são conhecidas como Virage Bleu e Virage Rouge nessas extremidades.

Não tem um locutor específico para animar/narrar os acontecimentos do jogo. Há um locutor como nos estádios brasileiros, ele é responsável por informações pontuais, como início da partida, número de torcedores, troca de jogadores etc.

No entanto, existe uma figura que é o “chefe” dos Ultras e que antes da partida tem o direito de entrar no campo e usar de um microfone para motivar os torcedores o que torna o momento bastante empolgante, pois não é como se fosse um show, mas um ponto fundamental de um combate que vai começar. Ele chama os torcedores para que eles gritem junto o nome da equipe, o nome dos jogadores e faça movimentos com as bandeiras que ficam dispostas em todas as cadeiras do estádio.

Senti uma sensação incrível ao estar ali, em meio a uma partida muito importante, sendo parte do espetáculo, podendo cantar junto e sentir o clima daquela atmosfera que tomava conta de todo o espaço. Inclusive os 5% dos torcedores do Ajax estavam empolgados e compunha a ambiência magnifica que ali estava instaurada. Um estádio extremamente vivo!

Torcedores do Ajax. Fonte: própria autora

Na entrada das equipes a campo, o Ajax foi bastante vaiado pelos torcedores. Isso acontece muito no Brasil com partidas decisivas. Com o início do jogo um mar azul e vermelho de bandeiras distribuídas no estádio tomava conta de todo o espaço. Foi a primeira vez que vi que as tribunas laterais estavam polvorosas, todos de pé e encorajando a equipe. Além das tribunas Virage Bleu e Virage Rouge das extremidades, as tribunas das laterais são conhecidas como Tribune Blanc e Tribune Or que retomam as cores históricas do clube. Era extremamente bonita a harmonia das cores da equipe anfitriã.

A vivacidade do estádio só foi interrompida pelos lugares marcados que devem ser respeitados. Até o momento eu não precisei respeitar essa regra, mas, segundo meu amigo, esse “preciosismo” aconteceu devido ao alto número de torcedores que estavam ali para acompanhar o jogo decisivo – ao todo 54 mil pessoas. Mesmo assim eu não sei se isso seria de fato importante, pois no Brasil, principalmente em partidas decisivas, os torcedores se colocam de pé, em qualquer lugar que possam ter boa visibilidade e encorajam o tempo todo a equipe.

No intervalo o cântico continuava, mesmo com a equipe do Lyonnais perdendo de 1 x 0 e tendo que fazer naquele momento 4 gols para poder ir para a final do campeonato. Os líderes dos Ultras continuavam de costas e liderando a torcida. Novamente me lembrei da Geral no Brasil, mas sem a o tom “ameaçador”, uma vez que se não cantasse eu poderia ser xingada ou até mesmo levar empurrões dos torcedores brasileiros mais afoitos.

Os líderes dos Ultras. Fonte: própria autora

Ao retorno da partida no segundo tempo o estádio todo continuava encorajando a equipe, cantando, vibrando com cada gol, se valendo do papel importante que a torcida tem em cada jogo, sabendo que poderiam fazer total diferença naquele combate. De fato eles fizeram, pois a equipe do Lyon conseguiu fazer 3 gols e ganhar a partida por 3 x 1. Apesar disso, a equipe não se classificou.

O olhar desolado dos torcedores foi de entristecer. Enquanto os torcedores do Ajax eram impedidos de sair do estádio até que a torcida do Lyon saísse, a fim de evitar confusão, os demais iam cabisbaixos corredores afora. O anfitrião amargava uma eliminação. Ficamos até que a maioria dos torcedores do Lyonnais saísse do local, ouvíamos somente a torcida do Ajax vibrando, mas o estádio tinha um “ar triste”, uma atmosfera que me remetia a um funeral.

A saída foi triste, com um sentimento de derrota que deixou um silêncio pairando no ar. Uma enorme fila se posicionou até as “navettes” e enquanto isso os torcedores seguiam comentando as falhas, os problemas ocorridos com a equipe. Muito frio e tristeza a ambiência da saída do estádio.

Fila da saída do estádio. Caminho para o acesso às “navettes”. Fonte: própria autora

Seguimos em direção novamente ao estacionamento e voltamos ouvindo um “podcast” sobre a narração da partida. Apesar de todo o sentimento ruim de uma eliminação, eu pude vivenciar um estádio vivo e uma torcida completamente apaixonada pela sua equipe. “Qui ne saute pas n’est pas Lyonnais!”

A suivre…